AlimentosIridologiaBem-viindoCuidados Clínicos Blog, facilitando a interatividade TransgênicosCanal de Luiz Meira   

 
Frutas


Muitos reconhecem a importância das frutas, mas olhando ao redor pouco vemos árvores frutíferas.
 
Tantos espaços públicos: praças, canteiros de avenidas, margens de rodovias, sem absolutamente uma árvore frutífera! Quantas crianças e pássaros poderiam estar sendo beneficiados em sua nutrição?

Coloco alguns argumentos entre tantos que cada um poderia acrescentar para realçar a necessidade de plantarmos frutas:
 
Disponibiliza íons assimiláveis, vitaminas, enzimas... anti-oxidantes, quelantes... carbohidrados, ácidos graxos...
Aumenta a quantidade de fibras na dieta, frutificando menos enfezados.
 
Retém a umidade do solo, principalmente quando árvores frondosas, baixando a poeira, segurando o vento.
Constituem um micro ambiente onde cai a sua sombra, aumentando a diversidade de espécies; de fungos e insetos que a sua vez metabolizam como que filtrando os detritos atmosféricos depositados principalmente sobre as folhas. Esta sombra refresca e protege do sol forte, especialmente em situações de longa caminhada.
 
 
 
Ratifica os períodos sazonais, induzindo-nos a um vínculo mais estreito com os ritmos da natureza.
 
Abundância que sobra até para os bichos!
 


 






Funções terapêuticas substituem química industrializada, contribuindo para a compreensão de tecnologia mais humanizada.
 
Resíduos facilmente assimiláveis; em castanhas e fibras para artesanato, em combustível para incineradores, em adubo e sementes para novas plantas. Basta jogar as sementes nos canteiros e terrenos, que muitas poderão brotar.
 
Diminuem o número de cáries, substituindo o açúcar, aumentando a passagem de fibras entre os dentes, aumentando a mastigação e melhorando o equilíbrio das arcadas.
 
Doces de frutas sem acrescentar açúcar é equilibrado. Diversas espécies (banana, goiaba, etc) podem ser  "apuradas" em fogo brando para obtermos um produto mais doce que seus similares com sacarose. Se misturados com castanhas moídas, fica extremamente desejável.
Com este recurso estaremos evitando os inumeráveis insumos químicos e biológicos presentes nas guloseimas e petiscos industrializados.

Deixa o ambiente mais colorido, florido e perfumado.
 


Frutas na bíblia: Levítico 19.23
 
 
 "Quando vocês entrarem na terra prometida e plantarem lá árvores frutíferas de toda espécie, não comam os frutos delas nos três primeiros anos de produção. As frutas produzidas dentro deste prazo são cerimonialmente impuras. A produção do quarto ano será destinada ao Senhor. Será oferta para glorificar ao Senhor. Finalmente, no quinto ano poderão comer as frutas destas árvores. E farei aumentar a produção.
Bons Frutos !







   


  
TODA FRUTA
Frutas de A a Z
http://www.todafruta.com.br/todafruta/institucional.asp?menu=522
=======================================

MAIS FRUTAS, MENOS DOENÇAS
      Elas são símbolo de fartura e de fertilidade da terra, traduzem a riqueza e a diversidade de um país tropical. Desde o tempo dos nossos avós ouvimos falar que comer frutas faz bem à saúde. Agora, a ciência comprova que as frutas são fonte de vitaminas, proteínas, sais minerais, fibras, antioxidantes. Um saboroso coquetel na prevenção e no tratamento de doenças. Mas quem come frutas pensando apenas nas propriedades que elas têm? Cada uma guarda forma, cor, cheiro diferentes. Algumas são tão antigas quanto a história da humanidade, do tempo de Adão e Eva e do pecado original. Uma pode trazer lembranças da infância; outra, um novo gosto a ser descoberto. 

      A aposentada Ernestina Ferreira redescobriu nas frutas o gosto de viver. "A gente compra uma mais durinhas e outras mais verdinhas, para serem consumidos depois", ensina a aposentada. 

      Ela mora em Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre, e, como a maioria dos brasileiros, comia frutas, só de vez em quando. Há dois anos, com onze quilos a mais de peso, dona Ernestina procurou os médicos do Departamento de Geriatria da Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre. Não se sentia nada bem. Estava com o colesterol alto, sofria com dores nas articulações, tomava antidepressivos e tinha problemas de digestão. 

      "Eu dormia e passava muito mal. Havia noites que eu achava que até não  amanheceria viva. Tinha pesadelos horríveis por causa da janta. Comia feijão, arroz, carne, batata, aipim, enfim, tudo", conta dona Ernestina. 

      A mudança na vida de dona Ernestina começou no consultório. Ela estava entre as 350 pessoas com mais de 60 anos que foram alvo de um estudo sobre hábitos alimentares. A conclusão foi surpreendente: 

      "Constatamos que as pessoas que têm uma alimentação saudável, principalmente as que comem mais frutas e verduras, têm até três vezes menos chances de desenvolver uma doença cardiovascular, um câncer, do 
      que uma pessoa que não tem esse hábito", revela a geriatra Gislaine Flores, da PUC do Rio Grande do Sul. 

      O desafio de geriatras e nutricionistas era melhorar a vida de quem comia de forma pouco saudável. Foi um trabalho minucioso. A nutricionista Josiane Siviero preparou um cardápio especial: reduziu alimentos calóricos, como frituras e doces, e incluiu pelo menos três frutas e dois vegetais por dia, que é a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

      "Esses alimentos contemplam certos nutrientes que só eles contém", diz a médica. 

      Aos poucos, dona Ernestina e os outros idosos foram incorporando as frutas à alimentação. Aprenderam a gostar, a variar e a usar as frutas como remédio. 

      "Gosto mais da banana. Todos os dias como uma bananinha", conta a dona de casa Cládis de Mello. 

      "Eu emagreci oito quilos depois que diminui os farináceos e comecei a comer frutas e legumes. A disposição melhorou, a digestão também, e o intestino foi regularizado. Nunca mais tive dor de cabeça. Não tomo remédio nenhum, meu remédio são as frutas", diz a aposentada Raquel Oliveira Rech. 

      A nutricionista também deu conselhos importantes ao grupo, como comer devagar e várias vezes ao dia. 

      "O ideal são seis refeições por dia. Antes, eles faziam três", diz Josiane. 

      O resultado da nova dieta foi animador. Em três anos, 75% dos idosos emagreceram e tiveram diminuição do colesterol ruim no sangue. 

      "Eles perderam bastante peso e começaram a se sentir psicologicamente muito melhor. No exame clínico, a gente observou essa melhora", conta a geriatra Gislaine Flores. 

      "Sinto que minha vida mudou bastante, minha disposição melhorou muito, meu ânimo de andar, de trabalhar, e a minha mente também. Sinto que sou outra pessoa, não aquela que estava quase com a mente apagada", diz dona Ernestina. 

      Data Edição: 29/03/04 
      Fonte: Globo Reporter 











   Alimentos Livro on line - Equilíbrio Alimentar  Iridologia

Comente este conteúdo: 
veja 
Facilitando a interatividade. 
comentários
Nome
 
e-mail
 
 
Luiz Meira
falecom@luizmeira.com
19  9612 6029