Alimentosmúsicas sacras do GilBlogs sobre este assunto, facilitando a interatividadeCalendário LunarPágina InicialReplique a vontade!
 
 
voltar
Trobetas    Perdão
Cabanas
Sucot - Tendas - Tabernáculos
 
A Bíblia Falada
 
Levítico 23
DISSE O SENHOR a Moisés:
 
“Diga ao povo de Israel: “Façam algumas festas do Senhor, todos os anos
Para essas festas, a assembléia do povo será convocada. E o povo prestará culto a Mim.
“Isto, além do santo descanso. 

 
 
Começa com o alarde geral em feriado de 24hs avisando que na próxima lua cheia será Cabanas.
 
Esta é a Festa das Trombetas  - (Rosh Hashana), realizada em 1 de Tishrei
Levitico 23:24
 
A Festa das Trombetas: Será realizada no primeiro dia do sétimo mês. Nesse dia o povo terá respeitoso descanso. Mas é dia de comemoração de fatos passados. O povo se reunirá para cultuar a Deus. A festa será a feita ao som de trombetas. Ninguém trabalhará nas obrigações costumeiras dos outros dias. Mas é preciso apresentar ofertas queimadas ao Senhor.
 
Cinco dias antes temos o feriado de 24hs reservado a análise dos erros cometidos. Esta preparação pessoal é feita em jejum.
É o "Dia do Perdão" (Yom Kippur) que acontece em 10 de Tishrei.
Levitico 23:26-31
 
O Dia da Expiação. É o dia dez do sétimo mês. Isto é, nove dias depois da Festa das Trombetas. O povo terá santa Assembléia diante do Senhor. Pensará com tristeza nos pecados cometidos e apresentará oferta queimada ao Senhor. Nesse dia ninguém trabalhará. É dia especial para fazer expiação, para apagar os pecados do povo, diante do Senhor, o Deus de Israel. Quem não passar esse dia em arrependimento e tristeza pelo pecado, será expulso do povo.E será morto aquele que fizer algum trabalho nesse dia.  Esta lei é permanente em todos os lares e através de todas as gerações de Israel. Pois esse dia é dia de respeitoso descanso. Nele vocês terão de humilhar as suas almas. É o Dia da Expiação. O santo descanso começa na tarde do dia anterior e vai até a tarde do dia seguinte.
 
Cabanas
 
15-21 de Tishrei, sétimo mês
Equinócio da Primavera
Levítico 23:40 
  
“No primeiro dia da festa, peguem galhos carregados de frutas, folhas de palmeiras, galhos de árvores de muita folhagem e ramos de chorão. Façam tendas com os galhos e passem sete dias cheios de alegria na presença do Senhor.    
“Esta festa anual de sete dias é obrigatória para todas as gerações. Por lei será celebrada no sétimo mês.
 
 Cada um traz alguma oferta: alimentos e bebidas. (Deuteronômio 16:17

Começa a festa no por do sol do dia anterior, comendo e bebendo as ofertas. 
 

No primeiro dia,  instalar acampamento com folhas vicejantes e frutos nos galhos. (Levítico 23:40
 
           Reunião pública com ofertas de alimentos e bebidas. 

Este primeiro dia de reunião pública, não se trabalha.
 

Do segundo ao sexto dia trabalha-se mantendo o espírito festivo. O sábado que acontecer nestes dias é respeitado como de rotina. 
 
 
No sétimo dia, 
 
           Reunião pública com ofertas de alimentos e bebidas. Este último dia de reunião pública, não se trabalha. 


 
Cabanas
   
 
 Bíblia Falada completa em português simples
 

 
 
 

 
 
 

Trombetas
1 de Tishrei
É o preâmbulo da festa das cabanas, lembrando-se das coisas que aconteceram, fazendo ofertas a Deus, ao som de instrumentos de sopro.
 
Dia do Perdão
10 de Tishrei
Arrependimento e tristeza pelo pecado. Limpeza,  deixando para trás aquilo que foi causa de arrependimento, preparando um novo ciclo, a novidade de vida que pulsa com a precessão dos equinócios, festejada a seguir com Cabanas. 
 
 (fonte ignorada) 
O ano agrícola judaico se encerrava com a grande Festa dos Tabernáculos (em hebraico: Hag Sucot). Logo após o verão, entre os meses de setembro a outubro, os israelitas se dirigiam para Jerusalém para as grandes festas de outono (Rosh haShaná ["A Festa das Trombetas"], Yom Kipúr ["o Dia das Expiações"] e Sucot ["a Festa das Cabanas"]), as quais se seguiam uma após a outra durante o 7º mês do calendário judaico.
 
A Festa das Cabanas se tornou um dos momentos mais felizes do ano litúrgico judaico. A antiga literatura judaica (Flávio Josefo, no seu livro Antiguidades Judaicas, e o Talmude) descreve como era a celebração dessa festa nos dias do segundo templo em Jerusalém. Multidões de peregrinos vinham de todas as partes de Israel e do mundo, e chegavam a Jerusalém em caravanas coloridas e festivas. Uma vez em Jerusalém, eles preparavam e habitavam em tendas de ramos ao longo das ruas, no pátio do templo, sobre os telhados das casas, nos montes e vales ao redor da cidade. A cidade de Jerusalém estava toda decorada com ramos de oliveira, palmas, salgueiros, frutas frescas e flores. Os peregrinos levam sempre consigo ramos de palma e murta que agitavam com alegria enquanto participavam dos serviços religiosos no templo, das orações e do cântico do Halel, a coleção de salmos de louvor (Salmos 113-118). 
 
A cerimônia mais marcante da festa era intitulada "O Regozijo no Local da Retirada da Água" (em hebraico: Simchat Beit haShoavá). Durante o ano, a cada dia, após o sacrifício ter sido queimado, uma oferta de vinho era derramada sobre o altar (chamada geralmente de libação). Durante os dias da Festa de Tabernáculos, além da libação de vinho, era derramada também uma de água. A cada manhã da festa, os sacerdotes faziam soar as trombetas, de modo longo e penetrante, aos primeiros raios do sol. O povo se despertava então para mais um dia com exclamações de alegria e júbilo. Os sacerdotes desciam então ao tanque de Shiloach ("Siloé"), levando consigo um frasco de ouro para enchê-lo de água, e retornavam ao templo de forma cadenciada e pausada, ao som das trombetas. Após o sacrifício e de ter entoado o Halel, os sacerdotes, segurando os ramos e frutos da terra prescritos em Levítico 23, rodeavam o altar de bronze, o qual estava adornado com ramos frescos de salgueiro, e recitavam as palavras do Salmo 118:25: "Oh! Salva-nos, Senhor, nós Te pedimos!" O sacerdote responsável pelo serviço do dia subia então a rampa do altar de bronze e derramava a água do frasco de ouro sobre uma bacia de prata, e vinho sobre uma segunda bacia. Na seqüência, de forma simultânea, o conteúdo de ambas bacias era derramado sobre o altar e todos os presentes irrompiam em júbilo exclamando: "Eis que o Senhor Deus é a minha força e o meu cântico.... Vós com alegria tirareis águas das fontes da salvação" (Isaías 12:2-3). Na tradição judaica, esta cerimônia comemorava a "Rocha" da qual brotou "água viva" e que acompanhou os israelitas durante a sua peregrinação no deserto (ver Êxodo 17:1-7; Números 20:2-13; 21:16-18) e que era símbolo de Deus e do Messias.
 
A segunda cerimônia mais marcante da festa ocorria de noite. Quatro grandes candelabros de sete braços, contendo no topo de cada braço vários litros de óleo e pavios feitos de vestes sacerdotais desgastadas, iluminavam toda a área do templo e a cidade de Jerusalém. Um orquestra tocando flautas, harpas, címbalos e tambores, acompanhava uma procissão de tochas, na qual havia danças e grande regozijo entre os peregrinos. Enquanto isto, o coral de Levitas, posicionado nas escadarias internas do templo, entoava os "Salmos de Ascensão" (Salmos 120-134). Estas cerimônias noturnas eram momentos de grande alegria e marcavam profundamente o espírito da festa. 
 
A descrição das Festas dos Tabernáculos na Bíblia Hebraica e nos escritos judaicos nos ajuda a compreender várias passagens da B'rit Hadashá ("Novo Testamento") que estão diretamente relacionadas com esta festa, ou que evocam os temas da mesma. Os capítulos 7-10 da Evangelho de João são um exemplo disto. João 7:37-38 nos diz que no último dia de uma Festa dos Tabernáculos, Jesus se levantou perante todos em Jerusalém e exclamou que Ele era a verdadeira fonte da "água viva", numa direta referência à cerimônia matutina do "Regozijo no Local da Retirada da Água". No mesmo dia, Ele também declarou ser a "luz do mundo" (João 8:12), numa referência à cerimônia noturna. Em João 9, Ele cura um cego de nascença como demonstração de ser Ele a luz do mundo (João 9:5). Jesus lhe aplica lama aos olhos e depois ordena-lhe que os lave no tanque de Shiloach ("Siloé"), local de onde era retirada a "água viva" a cada manhã da festa. Assim João 9 une os dois temas (luz e água) apresentados nos capítulos anteriores. Em João 10, Jesus se apresenta como o "Bom Pastor" e como a "Porta" (vss. 7, 9) através da qual se entra para a salvação, numa alusão direta ao Salmo 118:20 ("esta é a porta do Senhor, por ela entrarão os justos"), o principal salmo que era entoado ao longo da festa.
Deuteronômio 16:13-17
 
 Outra celebração, a festa dos Tabernáculos - será feita durante sete dias, no  fim das colheitas, depois que os cereais tenham sido recolhidos nos celeiros, e que as uvas tenham sido espremidas para a fabricação de vinho.  
Será alegre ocasião em que você e todos os de sua casa - incluindo os criados, e também os levitas, os estrangeiros, as viúvas e os órfãos de sua cidade - festejarão juntos.  
 "Esta festa será realizada no santuário edificado no local que o Senhor escolher. Estes sete dias festivos serão de alegria e de ação de graças pelas bênçãos de Deus derramadas sobre Israel - dando colheitas abundantes e permitindo sucesso em todos os empreendimentos. Será ocasião de imensa alegria!"  
Três vezes por ano, todo homem de Israel deverá comparecer ao santuário, diante do Senhor Nosso Deus, para as seguintes festas:  
A Festa dos Pães sem Fermento (ou Pães Ázimos);  
A Festa das Semanas (ou Pentecostes);  
A Festa dos Tabernáculos (ou das Tendas de Ramos).  
"Nas três ocasiões, levará uma oferta ao Senhor. Cada um dará o que puder, de acordo com as bênçãos recebidas. Mas ninguém irá à presença do Senhor Nosso Deus de mãos vazias. 
 
Deuteronômio 31:10-13
 
Moisés deu estas ordens da parte do Senhor: "Estas leis deverão ser lidas a todo o povo no fim de cada sete anos - justamente no Ano do Resgate - por ocasião da Festa das Tendas. Nessa ocasião, todo o Israel comparece à presença do Senhor, no lugar escolhido por Ele para santuário. "Convoquem e reúnam todos - homens, mulheres, crianças e os estrangeiros que estiverem nas cidades de Israel. Todos deverão ouvir e aprender estas leis, para que respeitem o Senhor Nosso Deus e obedeçam a todos os mandamentos ordenados por Ele. Façam isso. Assim, os seus filhos - que não conheceram estas leis - ouvirão e aprenderão a ter respeito pelo Senhor Nosso Deus todos os dias de vida que Israel tiver na Terra Prometida."  
 
 
Levítico 23:33-41
  
 O Senhor mandou Moisés falar ao povo sobre outra festa: “A Festa das Tendas. É no dia quinze do sétimo mês hebraico. Quer dizer que a festa é realizada cinco dias depois do Dia da Expiação – nos últimos dias de setembro ou começo de outubro. A Festa das Tendas deve durar sete dias. 
“No primeiro dia, o povo se reunirá em assembléia sagrada. Ninguém trabalhará nesse dia. “Em cada um dos sete dias, serão apresentadas ofertas queimadas ao Senhor. No oitavo dia será realizada outra assembléia santa, com o oferecimento de sacrifícios queimados ao Senhor. É dia de reunião solene. Fica proibido todo trabalho. 
“São estas, pois, as festas do Senhor. Festas que devem ser realizadas regularmente, todos os anos. São ocasiões de santo descanso, em que o povo é convocado para assembléia sagrada, para apresentar ao Senhor ofertas queimadas. As ofertas são de cereais, de animais sacrificados e de bebidas. Cada coisa no tempo certo. “Todas estas realizações serão feitas além das ofertas normais feitas nos outros dias, tanto as ofertas de livre vontade como as que são feitas para cumprir promessas ou em obediência à Lei. 
“No dia quinze do sétimo mês, ao terminar a colheita, vocês começarão os sete dias de festa. E tanto no primeiro dia como no oitavo, terão santo descanso. 
“No primeiro dia da festa, peguem galhos carregados de frutas, folhas de palmeiras, galhos de árvores de muita folhagem e ramos de chorão. Façam tendas com os galhos e passem sete dias cheios de alegria na presença do Senhor. 
“Esta festa anual de sete dias é obrigatória para todas as gerações. Por lei será celebrada no sétimo mês.
 
 
 

 
Bíblia Falada completa em português simples 
 

 
 
Números 29:12-38
Neemias 08:14-18
II Crônicas 08:12,13
Esdras 03:04
João 07:02-14
 
Veja o calendário hebraico para esclarecer as datas.
Um dia desejei festejar... agora posso imaginar como vale a pena ser. 
 
 

veja comentários
Blog sobre este arquivo, facilitando a interatividade
respostas e postagens 
sobre este assunto

 Luiz Meira
luizmeira.com
luizmeiramedico@gmail.com
+5573 9841 3108 WhatsApp
+5573 9985 6028 Vivo
04173 9118 3576 Tim
facebook.com/luizmeira
Skype luizmeiramedico

 
Comentando no Facebook
 
Comentando no 

 
 
     
voltar
Alimentosmúsicas sacras do GilBlogs sobre este arquivo, facilitando a interatividadeCalendário LunarPágina Inicial
A Bíblia Falada